Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.14/9519
Título: Transferência passiva de isoaglutininas em transfusão de plaquetas ABO MINOR incompatíveis
Autor: Ferreira, Marta Luísa Moreira
Orientador: Costa, Elísio
Corrondo,Maria Luísa Borregana Lopes dos Santos Teixeira
Data de Defesa: Fev-2012
Resumo: A presença de isoaglutininas anti-A e anti-B da classe IgG em concentrados plaquetários pode conduzir a reacções transfusionais hemolíticas devido à transferência passiva destes anticorpos, especialmente quando presentes em alto título. Não existe consenso acerca de qual o título crítico, mas alguma literatura considera valores ≥256 como “alto título”. A transferência passiva de isoaglutininas com significado clínico pode ocorrer após transfusão de componentes sanguíneos com incompatibilidade ABO minor, ou seja, quando doentes do grupo sanguíneo A, B ou AB são transfundidos com componentes sanguíneos do grupo O. O principal objectivo deste trabalho é o de estabelecer o título de anti-A e anti-B da classe IgG a partir do qual a transferência passiva destas isoaglutininas pode ter significado clínico, após transfusão de Concentrados Plaquetários de Aférese (CP-A) do grupo O em doentes do grupo sanguíneo A, B ou AB. Para tal, foram executados testes em duas etapas independentes mas inter-relacionadas. Entre 1 de Junho e 30 de Novembro de 2010, foram determinados manualmente os títulos de anti-A1 e anti-B da classe IgG em todas as unidades de CP-A do grupo O (n=83), colhidos no Serviço de Medicina Transfusional (SMT) do IPO-Porto, com base na metodologia de hemaglutinação em gel, com reagentes e material comercializado pela Diamed®. Foram ainda estudadas as amostras de doentes do grupo A, B ou AB transfundidos com os CP-A cujo título tinha sido determinado (n=21). O Teste de Antiglobulina Directo (TAD) foi realizado em amostras pré-transfusionais e em amostras até 24 horas após a transfusão destes componentes. Nos casos de resultados positivos do TAD, foi determinada a classe do anticorpo existente. Perante um anticorpo da classe IgG, foi realizado um eluado eritrocitário para caracterizar o tipo de isoaglutinina (anti-A1 e/ou anti-B). Nos 83 dadores, os títulos de anti-A1 variaram entre 8 (1,2%) e 2048 (2,4%), com o título 128 como o mais frequente (24,1%). Os títulos de anti-B variaram entre 2 (1,2%) e 1024 (4,8%), com 64 como o valor mais frequente (25,3%). Destes 83 dadores, 21 (25,3%) apresentavam apenas altos títulos de anti-A1, 8 (9,6%) apresentavam apenas altos títulos de anti-B e 7 (8,4%) apresentavam altos títulos de anti-A1 e anti-B em simultâneo. Do total de dadores estudados, verificou-se que 36 (43,3%) eram dadores de “alto título” de isoaglutininas. Das 21 amostras de doentes analisadas, 4 revelaram TAD Positivo por IgG após transfusão de CP-A. Destas 4 amostras, apenas 1 revelou a presença de anti-A1 no eluado eritrocitário. Não foi encontrada qualquer relação entre o título de isoaglutininas e a transição do TAD de negativo a positivo, nem foram relatadas reacções transfusionais hemolíticas após transfusão de CP-A do grupo O. Dos 21 casos, 76,2% responderam com aumento na contagem plaquetária pós-transfusional. Com este estudo, não foi possível determinar o título crítico de isoaglutininas anti-A1 e anti- B a partir do qual a transferência passiva adquire significado clínico. No entanto, foi possível identificar que 43,3% dos dadores apresentaram títulos de anti-A1 e/ou anti-B ≥256, considerados como dadores de alto título.
The presence of IgG anti-A and anti-B isoagglutinins in platelet concentrates may lead to hemolytic transfusional reactions due to passive transfer of these antibodies, especially when present in high titer. No international consensus exists on the critical titer, but some literature considers titers ≥256 as high titer. The passive transfer of isoagglutinins may occur in blood component transfusions with ABO minor incompatibility, that is, when patients from blood groups A, B or AB receive transfusions from blood group O components. The main goal of this study was to establish the IgG anti-A1 and/or anti-B isoagglutinin titer from which the passive transfer of isoagglutinins may have clinical meaning, after the transfusion of blood group O Single Donor Platelets (O-SDP’s). The performance of two independent but related phases permited the study. Between the 1st of June and the 30th of November, 2010, the IgG anti-A1 and anti-B titers were manually determined on all the O-SDP’s donations (n=83) collected in Serviço de Medicina Transfusional (SMT) in IPO-Porto. Patients samples (n=21) of blood groups A, B or AB who received O-SDP’s transfusions (for logistic purposes) were also analyzed. The Direct Antiglobulin Test (DAT) was performed in pre-transfusional samples and samples collected 24 hours after transfusion. Observing positive DAT results, the class of the existing antibody was determined. When a positive result was achieved from the IgG antibody, an erythrocyte eluate was performed to characterize the isoagglutinin type (anti-A1 and/or anti-B). All the tests were based on the Gel Hemagglutination methodology, with reagents and other material commercialized by Diamed®. Of the 83 SDP donors, the IgG anti-A1 titers ranged from 8 (1.2%) to 2048 (2.4%), with 128 as the most frequent (24.1%). The IgG anti-B titers ranged from 2 (1.2%) to 1024 (4.8%), with 64 as the most frequent (25.3%). Of the 83 donors, 21 (25,3%) presented only anti-A1 high titers, 8 (9,6%) presented only anti-B high titers and 7 (8,4%) presented anti-A1 and anti-B high titers, simultaneously. Of the 83 donors, 36 (43,3%) were considered as “high titre” donors. Of the 21 samples analyzed, 4 revealed positive DAT by IgG after transfusion. Of these 4 samples, only 1 revealed the presence of anti-A1 on the Erythrocyte Eluate. No relation was found between the isoagglutinins titer and the transition from negative to positive DAT after the O-SDP transfusion. No hemolytic transfusional reactions were reported after the transfusion. Of the 21 cases, 76.2% responded with an increase of the platelets number. From this study, it was not possible to determine anti-A1 and anti-B isoagglutinins critical titres from which the passive transfer may have clinical significance. However, it was possible to identify that 43,3% of the donors presented titers ≥256 of IgG anti-A1 and/or anti-B, considered as high titer donors
URI: http://hdl.handle.net/10400.14/9519
Aparece nas colecções:R - Dissertações de Mestrado / Master Dissertations
ICS(P) - Dissertações de Mestrado / Master Dissertations

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Transferência Passiva Isoaglutininas_Marta Ferreira_ 2012.pdf1,55 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.