Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.14/8724
Título: Poesia e transcendência : uma leitura teológica da obra de Sophia de Mello Breyner Andresen
Autor: Sousa, Emanuel António Brandão de
Orientador: Pinho, Arnaldo Cardoso de
Silva, João Amadeu Carvalho da
Data de Defesa: 2012
Resumo: Partimos, na nossa investigação trabalho, da constatação de Eduardo Lourenço, segundo o qual «desde os tempos de Pascoaes a poesia portuguesa se esforçava por conciliar Apolo e a sua mística expressão solar da vida com Cristo, sombra sob tanto excesso de sol, deus morto para que a Morte não se confundisse com a Vida digna desse nome. Se em algum sítio essa conciliação teve lugar foi na poesia de Sophia». Justamente esta conciliação, na obra de Sophia, entre Atenas e Jerusalém, entre o Evangelho e a Grécia, tem levado os comentadores a considerá-la quase sempre uma expressão da Grécia, reduzindo a sua poesia ou silenciando por razões ideológicas senão jacobinas a outra parte da medalha. Se é verdade, como reconhece Eduardo Lourenço, que o primeiro mundo de Sophia quase ignora a tensão e o horizonte da palavra, preferindo o naturalmente divino, que fruía muito cedo como menina do mar e que a descoberta de Homero e do mundo grego, sem dúvida idealizado, mais reforçou, também é verdade que a poetisa é devedora de uma «outra Escritura que a sua religião tradicional perpetua», como refere o ensaísta. Sem que uma ou outra parte desta conciliação tome prevalência, consideramos, como julga ainda Eduardo Lourenço, «Sophia musa de si mesmo» e, por isso, capaz de percorrer símbolos, imagens, histórias, lendas – de Cristo a Antígona, das Ménades a menina do Mar – onde consubstancia figurações de heroísmo, de justiça, de transcendência plenificante ou de pobreza contingente, sempre a partir dum sujeito que busca no dizer o ser das coisas. Sophia define a poesia como caminho para o real, como busca de uma aliança positiva com as coisas. Neste caminho para o real sentido e vivido, representado por símbolos, movimentos cívicos, atitudes, está a busca da transcendência na poesia de Sophia. Por isso, a tensão que a alimenta é entre dois mundos e são esses dois mundos que procuramos surpreender em Sophia nas duas partes da nossa investigação e nos capítulos que as constituem. A palavra poética procura precisamente desprender-se de para chegar a, ou levar aos confins do real, de forma a representar o objecto pressentido. Pressentido e perseguido sem descanso em fulgurações e figurações diversas. Entre a recusa e a invocação, entre a ruptura e a instauração, entre a espessura do mal e a justiça dos deuses, entre o tempo dividido e o tempo aberto, logra-se uma tensão, que atinge os confins na tensão entre a morte e a ressurreição. Os símbolos e as figurações provocados por esta tensão ocupam a nossa primeira parte. Numa segunda parte, desenvolvemos as figurações gregas e cristãs da idealização, fazendo ressaltar a idealização onde se inscrevem os tópicos duma possível leitura teológica, tais como, a relação entre o poder e a consciência, a relação entre liberdade, esperança e ressurreição e finalmente o rosto de um Deus sempre procurado e figurado e sempre oculto. Ao longo do nosso trabalho constatamos que o texto de Sophia esconde e guarda uma comunicabilidade íntima e muito rica. Nas palavras do Bispo do Porto, uma relação ao outro em todos os sentidos que lhe «faz trespassar o mistério da vida e, sondando as suas dimensões horizontais e verticais (…) e assim se avizinhar, no que é possível ao homem, do Mistério do Inefável». O que permite, para lá desta constatação, uma leitura teológica da obra de Sophia é precisamente esta perseguição do real por uma linguagem que longe dum qualquer didatismo, é um autêntico acontecer no sentido que lhe dá Gadamer aqui de acordo com Heidegger.
Descrição: Extrato de tese de doutoramento
URI: http://hdl.handle.net/10400.14/8724
Aparece nas colecções:R - Teses de Doutoramento / Doctoral Theses
FT(NP) - Teses de Doutoramento / Doctoral Theses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Poesia e transcendência - Emanuel Brandão.pdf479,64 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.