Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.14/7344
Título: Impacto da selecção e manutenção da mutação M184V na resposta ao tratamento antirretrovírico
Outros títulos: Effect of M184v mutation selection and maintenance on the antiretroviral treatment response
Autor: Carvalho, Alexandre
Palavras-chave: Infecção VIH
tratamento antirretrovírico
replicação vírica
lamivudina
mutação M184V
HIV infection
antiretroviral therapy
viral fitness
lamivudine
M184V mutation
Data: 2008
Editora: UCEditora
Citação: CARVALHO, Alexandre – Impacto da selecção e manutenção da mutação M184V na resposta ao tratamento antirretrovírico = Effect of M184v mutation selection and maintenance on the antiretroviral treatment response. Cadernos de Saúde. Lisboa. ISSN 1647-0559. 1:2 (2008) 167-184
Resumo: A mutação M184V seleccionada pelo uso de lamivudina é precoce, consistente e provoca resistência de alto nível a esse antirretrovírico. Não causa resistências cruzadas dentro da classe e reduz a capacidade replicativa de tal forma que a sua manutenção através da pressão selectiva contínua pode resultar em proveito para os doentes com infecção por vírus multirresistente e com poucas opções terapêuticas. Métodos: Estudo prospectivo, aberto, em que a 22 doentes infectados por VIH1 com a mutação M184V se alterou a terapêutica antirretrovírica com base em genotipagem, mantendo-se a prescrição de lamivudina ou emtricitabina. Através de comparação com controlo histórico foi averiguada a existência ou não de benefício virológico ou imunológico. Resultados: Não foram encontradas diferenças entre as respostas imunológica e virológica dos dois grupos. Nos efeitos adversos mensuráveis analiticamente, o grupo 3TC sofreu variação negativa da ALT (-14.3 U/ml±31.3) e o grupo controlo teve aumento de 12.1 U/ml±50.4 (p<0.05). Na análise por subgrupos, para os doentes infectados com VIH de subtipos não-b, 50% no grupo 3TC terminaram com mais de 350 CD4 por mm3 contra 21.4% no grupo controlo (p=0.127); 83.3% dos doentes do grupo 3TC terminaram com carga vírica <1000 cópias/ml contra 57.1% do grupo controlo (p=0.149). Para TAM :3, 93.3% dos doentes do grupo 3TC terminaram com carga vírica <1000 cópias/ml, contra 74.1% no grupo controlo (p=0.128); para um total de mutações da transcriptase reversa:4, 100% dos doentes do grupo 3TC terminaram com carga vírica <1000 cópias/ml contra 68.2% no grupo controlo (p=0.05) Conclusões: A estratégia de adição de lamivudina ou emtricitabina aos esquemas antirretrovíricos desenhados para doentes em falência terapêutica infectados por vírus portadores da mutação M184V não é inferior à prática habitual de suspensão. Não há toxicidade acrescentada por manter 3TC ou FTC. Da análise por subgrupos concluiu-se que em doentes infectados por VIH de subtipos não-b há tendência para benefício imunológico e virológico. Verifica-se uma tendência para vantagem virológica no grupo 3TC apenas em presença de um número moderado de mutações (inferior a três TAM ou a quatro mutações da transcriptase reversa no total, além da M184V).
The mutation M184V in the reverse transcriptase gene is associated with high level of resistance to lamiduvine and emtricitabine. It emerges shortly after therapy with these antiretrovirals has begun. It does not provoke cross-resistance within the class of reverse transcriptase nucleoside inhibitors and reduces viral fitness in a way it could be an interesting option for patients with incomplete viral suppression and few therapeutic options, making it an interesting model for the study of a potential clinical benefit obtained by the continuation of antiretroviral therapy to which HIV has a reduced susceptibility Methodology: It’s an open label, prospective study, in which antiretroviral treatment of 22 patients infected with HIV 1 bearing the M184V mutation was altered, based in a genotypic resistance test while the prescription of lamiduvine or emtricitabine was continued. Through comparison with a historical control group, the existence or lack thereof of viral or immunological benefits was established. Results: Couldn’t be found any difference between immunologic or virologic responses on both groups. In laboratorial adverse events, the 3TC group experienced ALT negative variation (-14.3 U/ml±31.3) and control group has an increase of 12.1 U/ml±50.4 (p<0.05). In subgroup analysis, for subtype non-b HIV infected patients, in 3TC group 50% ended with more than 350 CD4 per mm3 against 21.4% in control group (p=0.127); in 3TC group 83.3% ended with viral load <1000 copies/ml against 57.1% in control group (p=0.149). With a number of TAM "3, 93.3% of the patients in 3TC group ended with viral load <1000 copies/ml against 74.1% in control group (p=0.128); for reverse transcriptase mutations "4, 100% of the patients in 3TC group ended with viral load <1000 copies/ml against 68.2% in control group (p=0.05). Conclusions: It was concluded the strategy of adding lamiduvine or emtricitabine to the antiretroviral regimen designed for patients for whom treatment is failing, infected with a strain of the virus carrying the M184V mutation is not inferior to the usual practice of suspension of treatment. This strategy does not imply increased toxicity. From the analysis of subgroups it also can be concluded that patients infected with HIV of subtypes other than b have a tendency to benefit in viral and immunological terms. A tendency to benefit in viral terms has also been identified in the 3TC group if mutations were inferior to three thymidine analogue mutations or four nucleoside analogue mutations in addition to M184V.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.14/7344
ISSN: 1647-0559
Aparece nas colecções:RCS - 2008 - Vol. 001 - Nº 02

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
CS_Vol1N2(4).pdf342,21 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.