Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.14/4410
Título: Uma teologia da recepção?: os censores (em desacordo) contra a superstição, Portugal 1770-1771
Autor: Tavares, Rui
Palavras-chave: Censura
Real Mesa Censória
Superstição
Data: 2003
Editora: Centro de Estudos de História Religiosa - Universidade Católica Portuguesa
Citação: TAVARES, Rui – Uma teologia da recepção?: os censores (em desacordo) contra a superstição, Portugal 1770-1771. Lusitania Sacra. Lisboa. ISSN 0076-1508. 2ª S. 15 (2003) 211-238
Resumo: O trabalho do censor sempre lidou com o poder das palavras, sob múltiplas fisionomias. Mas só raramente teve de se deter diante dos poderes “físicos” (ou “mágicos”, como talvez lhes chamaríamos hoje) das palavras. Poderão as palavras escritas ou faladas deter efeitos sobre fenómenos físicos tais como terremotos, fogos e tempestades? Alguns livrinhos impressos, que era hábito usar como amuletos, defendiam que era de facto possível. Luís de Monte Carmelo, deputado da Real Mesa Censória, defendia que tudo isto era impossível. Havia contudo outros censores que discordavam de Monte Carmelo, buscando uma terceira via que pudesse reconciliar estas diferenças. Argumentavam que as palavras possuem efectivamente poderes físicos, se bem que de uma natureza indirecta. É esta polémica entre censores que o artigo analisa, recuperando algumas das questões implícitas que ela nos coloca sobre a natureza da censura: quais são os limites do trabalho do censor? Podem julgar-se os livros apenas a partir dos seus conteúdos, independentemente dos usos que se lhes dá? Será que um livro continua a ser um livro, mesmo quando não é lido? E, finalmente: como se pode deter poder sobre os poderes das palavras?
The censor's work has always been about the power of words, under its many guises. But in this controversy inside the Portuguese Royal Censorship Board (Real Mesa Censória, founded in 1768 by the government of the Marquis of Pombal), its censors discuss the “physical” (or magical, as we would call it) powers of words. Can words, printed or uttered, have effects upon physical phenomena such as earthquakes, fires and tempests? Some books, manufactured to be used as amulets, say that this is possible. The censor Luis do Monte Carmelo says they can not. Written words are mere “ink delineated, and printed on paper”. In consequence, “words lack the physical virtue, or natural activity to produce the effects promised by those books”. Other censors, however, disagree with him, seeking a “third way” solution: words do have physical power upon phenomena, although indirect. This polemic will be described in a detailed way, trying to unearth some of the questions about censorship it implicitly conveys: when shall the work of the censor stop? Can one judge the content of a book on its own, regardless of its uses? Is a book still a book when it is not read? How can one have power upon the powers of the word?
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.14/4410
ISSN: 0076-1508
Aparece nas colecções:RLS - Tomo 015 (2003)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
4410 - LS_S2_15_RuiTavares.pdf8,3 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.