Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.14/4403
Título: Poéticas da imperfeição : autores e tradautores na primeira metade de oitocentos : Walter Scott e André Joaquim Ramalho e Sousa
Autor: Lopes, Maria Alexandra Ambrósio
Orientador: Flor, João Almeida
Seruya, Teresa
Palavras-chave: Estudos de Tradução
História da Tradução
Teoria da Narrativa
Walter Scott
Autoria
Ramalho e Sousa
Data de Defesa: 11-Abr-2011
Resumo: Poéticas da Imperfeição é uma reflexão sobre os modos como a autoria, e suas diversas figurações, é construída na narrativa histórica de Walter Scott (1771-1832) e depois traduzida por um intelectual português contemporâneo do autor, André Joaquim Ramalho e Sousa (1790-1857). A tese procura descrever os trânsitos europeus de produção, circulação e tradução de literatura na primeira metade de Oitocentos, a partir do caso do mais famoso escritor da época: Walter Scott. O estudo — que se desenvolve em díptico, porquanto parte do pressuposto de que a tradução de literatura resulta de um diálogo transsubjectivo e transtextual — pretende iluminar aspectos menos evidentes da tessitura narrativa dos Waverley novels (1814- -1833), entre os quais avulta a questão da autoria: entre 1814 e 1827, os diversos romances da série são publicados anonimamente e atribuídos, em patamares paratextuais, a numerosas figuras ficcionais. Indaga-se a natureza da autoria assim encenada e, no momento seguinte (segunda tábua do díptico), as imagens inversas, em espelho, que as traduções produzem desse processo de des/construção autoral num contexto muito diverso, ainda que temporalmente próximo. Os dois lados do díptico pressupõem, à vez, três passos: ARQUEOLOGIA — escavação, busca de traços de (trad)autorias perdidas —, CONTEXTUALIZAÇÃO — integração dos vestígios nas possibilidades do tempo e do espaço — e INTERPRETAÇÃO — encadeamento narrativo que procura dilucidar processos e projectos, concepções culturalmente determinadas de «literatura» e «tradução», «inovação» e «memória do sistema». Sendo uma tese em história da tradução, impõe-se que seja metodologicamente ágil, cruzando os processos próprios dos estudos de tradução comos de áreas do saber afins e importando conceitos e práticas dos estudos de cultura, da historiografia, dos estudos literários (teoria da narrativa e narratologia, estética da recepção e história literária), da sociologia da leitura e do livro. Pelas razões aduzidas, este é umtexto que espelha e estuda fronteiras e a sua transgressão, sejam elas sistémicas, narratológicas, linguísticas ou culturais. Daí que, em termos metodológicos, se assuma como projecto intrinsecamente pluri e transdisciplinar. Daí que se alicerce, estruturalmente, numa narrativa plural.
URI: http://hdl.handle.net/10400.14/4403
Aparece nas colecções:R - Teses de Doutoramento / Doctoral Theses
FCH - Teses de Doutoramento / Doctoral Theses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Tese Alexandra Lopes.pdf7,43 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.