Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.14/17763
Título: A legitimação da violência de Estado na perspetiva dos polícias
Autor: Soares, Mónica Catarina Pereira
Orientador: Matos, Raquel
Palavras-chave: Violência policial
Violência de Estado
Descomprometimento moral
Psicologia da paz
Legitimação
Police violence
State violence
Moral disengagement
Peace psychology
Legitimation
Data de Defesa: 8-Jul-2013
Resumo: A Violência de Estado é atualmente um fenómeno em amplo crescimento, principalmente na maior parte das sociedades ditas democráticas e capitalistas (Barak, 2010; Chomsky, 2003; Kauzlarich, Matthews, & Miller, 2002; Rothe et. al., 2009; Rothe & Mullins, 2009; Rothe & Ross, 2008). Como forma de exercer controlo social visto como esperado (Waddington, 1999) ou de aplicar uma força excessiva ou letal (Belur, 2009; HRW, 2009), as forças policiais assumem-se como a oportunidade normativa interna e objetivamente legítima para o exercício da violência de Estado (Barbosa & Machado, 2010). No entanto, mesmo que considerada legítima, a violência policial, tal como as outras formas de violência de Estado, afeta acentuadamente os direitos humanos e civis, devendo por isso ser problematizada e explorada (Belur, 2010a; Friedrichs, 2010; Rothe et. al., 2009; Ward & Green, 2000b). Partindo da premissa que para tornar a violência menos provável, é necessário conhecer os processos cognitivos que a legitimam e deslegitimam (MacNair, 2003), o presente estudo visou conhecer os processos de legitimação ou de descomprometimento moral face à violência de Estado, na perspetiva dos polícias, tendo por base situações representativas do seu quotidiano profissional. Os resultados mostram que, com vista a legitimar o uso da violência, os agentes policiais invocam mecanismos de negação, bem como de descomprometimento moral (e.g., linguagem sanitarizada, justificações morais, desresponsabilização, atribuição da culpa). Por sua vez, a deslegitimação da violência acontece principalmente em cenários potencialmente letais, associados ao recurso à arma de fogo. Os resultados foram discutidos à luz da importância da negação no cometimento de atos danosos (Cohen, 2001; 2003); da teoria do descomprometimento moral (Bandura, 1900; 1999); do impacto do sistema legal e hierárquico policial na deturpação do sentido de agência moral e da importância da humanização e identificação com o outro como forma de invalidar o recurso à violência policial.
State Violence is currently a widespread growth phenomenon, mainly in most so-called democratic and capitalist societies (Barak, 2010; Chomsky, 2003; Kauzlarich, Matthews, & Miller, 2002; Rothe et al., 2009; & Rothe Mullins, 2009; Rothe & Ross, 2008). In order to exercise social control seen as expected (Waddington, 1999) or to applying an excessive or deadly force (Belur, 2009; HRW, 2009), police forces are assumed to be a normative opportunity to exercise legitimate ways of State violence (Barbosa & Machado, 2010). However, even if considered legitimate, police violence, like other forms of State violence, strongly affects human and civil rights and should therefore be explored and problematized (Belur, 2010a; Friedrichs, 2010; Rothe et. al., 2009; Ward & Green, 2000b). Assuming that to make violence less likely, it is necessary to understand the cognitive processes that legitimize and delegitimize (MacNair, 2003), the present study aimed to understand the processes of legitimation or moral disengagement in respect of state violence, by taking the perspective of police officers regarding representative situations of their professional activity. The findings showed that, in order to legitimize the use of violence, police rely on mechanisms of denial, as well as moral disengagement (e.g, sanitizing language, moral justifications, displacement of responsibility, attribution of blame). In turn, the delegitimization of violence tends to happen especially in potentially lethal scenarios associated with the resort to firearm. The findings were discussed based on of the importance of the denial in committing harmful acts (Cohen, 2001, 2003), the theory of moral disengagement (Bandura, 1900, 1999), the impact of the legal system and police hierarchical organization in the misrepresentation of the sense of moral agency and the importance of humanizing and empathize with others as a way to invalidate the use of police violence.
URI: http://hdl.handle.net/10400.14/17763
Aparece nas colecções:FEP - Dissertações de Mestrado / Master Dissertations
R - Dissertações de Mestrado / Master Dissertations

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
TESE_FNL.pdf1,07 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.