Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.14/17168
Título: A promoção da autoavaliação escolas: a experiência do SAME
Autor: Matias Alves, José
Machado, Joaquim
Veiga, João
Cabral, Ilídia
Palavras-chave: Autoavaliação
Melhoria
Escola
desenvolvimento organizacional
consultoria
Data: 2014
Citação: MATIAS ALVES, José ...[et al.] - A promoção da autoavaliação escolas: a experiência do SAME. Revista Portuguesa de Investigação Educacional. ISSN 1645-4006. Vol. 14 (2014), p. 41-66
Resumo: A pressão institucional para a adoção de modelos, dispositivos ou simples práticas de autoavaliação tem sido uma constante desde o início do século XXI, seja na lógica de prestação de contas, seja na lógica de compreensão e melhoria dos processos e resultados educativos. Neste contexto, um número expressivo de escolas e agrupamentos tem vindo a solicitar ao Serviço de Apoio à Melhoria das Escolas (SAME) que disponibilize referenciais, metodologias e instrumentos que permitam adotar uma prática sistemática de produção de autoconhecimento das várias realidades escolares e que induza a uma prática de planeamento e concretização de ações de melhoria das práticas educativas. O referencial que tem servido de guia à ação dos consultores do SAME considera os domínios e indicadores que estruturam a avaliação externa da Inspeção-Geral da Educação e Ciência (IGEC), mas vai bastante além do que aí está previsto, na tentativa de construir uma visão mais integrada e focada nos processos que têm poder de melhorar os resultados académicos, sociais e pessoais. Esta focalização não pode ignorar a centralidade da sala, pois aí se concretiza (ou não) uma parte expressiva da aprendizagem prescrita no currículo e programas. Para a apreensão e compreensão de uma realidade complexa, recorre-se a uma multiplicidade de métodos e instrumentos, fontes de informação e sujeitos, numa prática sistemática de triangulação. Um outro tópico estruturante é que este processo de apoio assume uma natureza multimodal e referenciado à realidade concreta de cada escola e só ganha sentido se contribuir para envolver e desenvolver os atores e as instituições. Assume-se, deste modo, como um processo de produção de autoconhecimento, implicação, mobilização e compromisso em torno de uma educação de mais qualidade para todos.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.14/17168
Aparece nas colecções:CEDH - Artigos em revistas nacionais com Arbitragem / Papers in national journals with Peer-review

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Promoçao autoavaliaçao escolas.pdf185,18 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.