Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.14/16724
Título: Intonaspacio : comprehensive study on the conception and design of digital musical instruments : interaction between space and musical gesture
Autor: Rodrigues, Mailis Gomes
Orientador: Lopes, Paulo Ferreira
Data de Defesa: 2015
Resumo: Site-specific art understands that the place where the artwork is presented cannot be excluded from the artwork itself. The completion of the work is only achieved when the artwork and place intersect. Acoustically, sound presents a natural relation with place. The perception of sound is the result of place modulation on its spectral content, likewise perception of place is dependent on the sound content of that place. Even so, the number of sound artworks where place has a primary role is still very reduced. We thus purpose to create a tool to compose inherently place-specific sounds. Inherently because the sound is the result of the interaction between place and performer. Place because is the concept that is closer to human perception and of the idea of intimacy. Along this thesis we suggest that this interaction can be mediated by a digital musical instrument - Intonaspacio, that allows the performer to compose place-specific sounds and control it. In the rst part we describe the process of construction and design of Intonaspacio - how to access the sound present in the place, what gestures to measure, what sensors to use and where to place them, what mapping to design in order to compose place-speci c sound. We start by suggesting two di erent mappings to combine place and sound, where we look at di erent approaches on how to excite the structural sound of the place, i.e., the resonant frequencies. The rst one, uses a process where the performer can record a sample of sound ambiance and reproduce it, creating a feedback loop that excites at each iteration the resonances of the room. The second approach suggest a method where the input sound is analyzed and an ensemble of the frequencies of the place with the highest amplitudes is extracted. These are mapped to control several parameters of sound e ects. To evaluate Intonaspacio we conducted an experiment with participants who played the instrument during several trial sessions. The analysis of this experiment led us to propose a third mapping that combines the previous mappings. The second part of the thesis intends to create the conditions to give longevity to Intonaspacio. Starting from the premise that a musical instrument to be classi ed as such needs to have a dedicated instrumental technique and repertoire. These two conditions were achieved first, by suggesting a gestural vocabulary of the idiomatic gestures of Intonaspacio based on direct observation of the most repeated gestures of the participants of our experiment. Second, by collaborating with two composers whom wrote two pieces for Intonaspacio.
A arte situada é uma disciplina artística tradicionalmente ligada a Instalação que pretende criar obras que mantêm uma relação directa com o espaço onde são apresentadas. A obra de arte não pode assim ser separada desse mesmo espaço sem perder o significado inicial. O som pelas suas características físicas reflecte naturalmente o espaço onde foi emitido, isto é, a percepção que temos de um som resulta da combinação do som directo com as reflecções do mesmo no espaço (cujo tempo e amplitude est~ao directamente relacionados com a arquitectura do espaço). Nesta lógica a arte sonora seria aquela que mais directamente procuraria compôr som situado. No entanto, o espaço é raramente utilizado como fen omeno criativo intencional. Nesse sentido, o trabalho aqui apresentado propõem-se a investigar a possibiliade de criar sons situados. O termo Espaço está muitas vezes associado a algo de dimensões vastas e ilimitadas. Assim sendo e na óptica da arte situada, onde h a uma necessidade de criar uma relação, parece-nos que lugar é um termo mais adequado para enquadrar o nosso trabalho de investigação. O lugar, para além de representar um espaço onde se podem estabelecer relações de intimidade (proximidade), apresenta dimensões que são moldáveis consoante a percepcção e o corpo humano. Ou seja, o Homem ao deslocar-se no lugar vai ao mesmo tempo de nindo as fronteiras desse mesmo lugar. Esta visão do lugar aparece no final do século dezanove quando a filosofia começa a orientar o pensamento para uma visão mais direccionada para o Homem e para a percepcção humana. O lugar passa então a representar algo que e estabelecido na acção e pela percepcção humana, onde e possível estabelecer relações de intimidade, ao contrário dos não-lugares (sítios mais ou menos descaracterizados onde as pessoas estão só de passagem). Re-adaptámos por isso a nossa questão inicial não só para realçar esta ideia de lugar mas também para reflectir uma bi-direccionalidade perceptiva que é fulcral para a arte situada - como criar e controlar sons inerentemente localizados? Inerentemente porque para existir de facto uma interacção entre lugar e obra de arte sonora são necessárias duas condições: por um lado o som possa provocar uma resposta do lugar, e por outro, o lugar possa modificar a nossa percepcção dele mesmo. A existência de uma relação interactiva abre espaço a um novo ponto que não tinhámos considerado anteriormente e que acrescentámos a nossa nova questão, o controlo. Propomos como possível reposta a esta questão a construção de um instrumento musical digital, o Intonaspacio, que servir a de mediador desta interacção e que possibilitará ao performer a criação e o controlo de sons localizados. Primeiro poque o instrumento musical possibilita o aumento das capacidades humanas, através da extensão do corpo humano (tal como um garfo extende a nossa mão, por exemplo). Segundo, porque o instrumento musical digital pelas suas características, nomeadamente pela separação entre o sistema de controlo e o sistema de geração de som abre novas possibilidades sonoras antes excluídas por limitações mecâncias ou humanas. Podemos por isso visionar um acesso mais alargado a novas dimensões espaciais e temporais. Esta tese está dividida em duas partes, na primeira parte descrevemos a construção do Intonaspacio, e na segunda estabelecemos as bases para permitir a sua longevidade. A primeira parte começa por investigar formas de acesso ao som do lugar, composto pelo conjunto dos sons ambiente e dos sons estruturais do lugar (ressonâncias próprias resultantes da arquitectura). Pensamos que uma das possíveis formas de compôr sons localizados e precisamente através da possibilidade de poder ter os sons ambiente a gerar e a amplificar os sons estruturais. Surgem então duas novas questões de natureza técnica: Como integrar o som ambiente na obra sonora em tempo-real? Como permitir que estes excitem a resposta do espaço? Para as responder desenhámos dois mapeamentos diferentes. Um primeiro em que o performer pode gravar pequenos trechos de som ambiente que são emitidos e re-gravados criando um ciclo de feedback que excita as ressonâncias do lugar. Um segundo método onde se faz uma análise espectral ao som captado e se extrai um conjunto de frequências cujas amplitudes são as mais elevadas. Estas são posteriormente utilizadas para controlar parâmetros de vários efeitos sonoros. Colocámos ainda no instrumento um conjunto de sensores diferentes para captar o gesto do performer. Estes estão localizados em diferentes areas do esqueleto do instrumento de modo a permitir areas sensíveis maiores e consequentemente um maior n umero de graus de liberdade ao performer. Neste momento o Intonaspacio permite extrair cerca de 17 características diferentes, agrupadas em três secções - orientação, impacto e distância. Estas podem ser utilizadas para modelar o som gerado pelo instrumento através dos diferentes mapeamentos. Ambas as propostas de mapeamento foram avaliadas por um conjunto de pessoas durante um teste de utilização do Intonaspacio. Os resultados deste permitiram-nos chegar a uma terceira sugestão de mapeamento onde combinamos características de ambas as propostas anteriores. No terceiro mapeamento mantém-se a análise ao som captado pelo instrumento mas a informação recolhida e usada como material sonoro de um algoritmo de síntese aditiva. A segunda parte da tese parte de uma premissa estabelecida durante o trabalho realizado nesta tese. Um instrumento musical deve possuir uma técnica instrumental própria e um repertório dedicado para que seja considerado enquanto tal. Neste sentido e com base na observação directa dos gestos mais comuns entre participantes do nosso estudo, propusémos um vocabulário gestual dos gestos idiomáticos do Intonaspacio, ou seja, dos gestos que dependem exclusivamente da forma do próprio instrumento e da localização dos sensores na estrutura do instrumento (zonas sensíveis) e são independentes do mapeamento. Colaborámos ainda com dois compositores que escreveram duas peças musicais para o Intonaspacio. O Intonaspacio revelou ser um instrumento complexo e expressivo que possibilita aos performers incluir o lugar enquanto parâmetro criativo, no entanto apresenta ainda alguns problemas de controlo. No primeiro mapeamento, embora a integração do lugar seja sentida como mais directa e apresentando resultados sonoros mais interessantes (de acordo com os participantes do estudo), a sensação de controlo é muito baixa. Já no segundo mapeamento, embora tenha um controlo mais fácil, a presença do lugar é muito subtil e pouco perceptível. Esperamos que o terceiro mapeamento venha contribuir para solucionar este problema e aumentar o interesse no instrumento, principalmente por parte dos compositores com quem colaborámos e iremos colaborar no futuro.
URI: http://hdl.handle.net/10400.14/16724
Aparece nas colecções:EA - Teses de Doutoramento / Doctoral Theses
R - Teses de Doutoramento / Doctoral Theses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Mailis_PhD.pdf28,43 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.