Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.14/16695
Título: The intensity of the economic relations amongst the European Union Member States and the competitiveness of the European Union in the globalized world economy
Autor: Carmona-Szafrańska, Magdalena Anna
Orientador: Rodrigues, Eduardo Raul Lopes
Palavras-chave: Competitividade
Relações Internacionais
Mercado Interno
Política de Investigação Científica e de Desenvolvimento Tecnológico
Comércio
Mobilidade dos Investigadores
Competitiveness
International Relations
Internal Market
Research and Technological Development policy
Trade
Mobility of researchers
Data de Defesa: 15-Jan-2014
Resumo: A presente dissertação de doutoramento tem por objeto estudar a correlação entre a intensidade das relações entre os Estados - Membro da União Europeia e a Competitividade da União Europeia nos mercados mundiais globalizados. A metodologia da presente investigação consiste na seleção de duas políticas fundamentais para o processo de integração europeia. Do ponto da vista da intensidade das relações entre os Estados - Membro da União, as duas políticas são opostas tanto no sistema da Comunidade Europeia como na ultima dinâmica do sistema da União Europeia: 1) A política de Conclusão do Mercado Interno, no âmbito da Circulação de Mercadorias; 2) A política de Investigação Científica e de Desenvolvimento Tecnológico (I&DT). A primeira daquelas políticas foi escolhida por ser até ao momento, e, desde 1951, aquela onde se verificam os mais elevados níveis de integração, tendo vindo a gerar uma fusão real dos mercados domésticos dos diferentes Estados - Membro, num único Mercado Comum tendêncialmente único. A segunda daquelas políticas foi escolhida precisamente por ser, até ao momento, radicalmente contrastante com a primeira, tendo-se baseado quase exclusivamente no mecanismo da cooperação, nas Relações Internacionais clássicas entre Estados, tendo vindo a gerar, consequentemente, um baixo nível de integração. Alem disso, no caso da política de Investigação Científica e de Desenvolvimento Tecnológico podemos observar o impasse da integração entre os Estados- Membro, cujo exemplo mais evidente é o Tratado de Lisboa. (entrou em vigor em 1 de dezembro de 2009). Ambas as políticas, a política de Mercado Interno de mercadorias como a política de Investigação Científica e de Desenvolvimento Tecnológico foram examinadas em dois aspectos: (1) grau de intensidade das relações internas na União; (2) a competitividade mundial da UE. A análise da intensidade das relações entre os países membros foi efectuada de modo qualitativo e quantitativo. A “Qualitativa” está centrada na exploração dos textos programáticos, analíticos, legislativos de cada uma das políticas em causa. A “Quantitativa” está centrada na utilização de indicadores e dados estatísticos de estudos e relatórios de diversas organizações internacionais mais também de bases de dados internacionais tais como EUROSTAT, Organización Mundial del Comércio (OMC). A análise da competitividade mundial da UE no âmbito de ambas as políticas está apoiada em análise quantitativa, baseada em dados estatísticos. No caso do Mercado Interno de mercadorias, a avaliação da competitividade da UE em escala mundial foi realizada em base da avaliação da posição da UE no mercado internacional, tanto em função de quantidade quanto de sua estrutura e especialização. A análise global da competitividade da UE no setor de investigação científica e de desenvolvimento tecnológico está apoiada na análise de sua participação na economia mundial. A posição da UE no setor mundial de Investigação Científica e Desenvolvimento Tecnológico foi analisada em função de quatro critérios: quantidade de trabalhadores científicos, nível de investimento em I&DT, quantidade e qualidade de publicações científicas e quantidade de registros de patente. A análise da qualidade de intensificação das relações entre estados membros da UE, ao foco à luz de duas políticas, foi realizada á partir do momento de nascimento da própria política comunitária até 2008. No caso do Mercado Interno de mercadorias o período é a partir do momento do surgimento da Comunidade Europeia de Carvão e Aço em 1951 até 2008, enquanto no caso da política de Investigação Científica e Desenvolvimento Tecnológico o período é da Declaração de Paris em 1972 até 2008. O período de análise quantitativa da intensidade entre os países membros da UE no referente ao Mercado Interno de mercadorias abrange o período entre 1995 e 2008. Apesar disso, o período da análise quantitativa de intensidade das relações entre os estados membros da UE em relação à política de Investigação Científica e de Desenvolvimento Tecnológico foi limitado por falta de dados estatísticos compatíveis e abrange o período entre a apresentação de um relatório sobre a Estratégia de Lisboa em 2000 e 2008. Relativamente à Política de Conclusão do Mercado Interno, no âmbito da Circulação de Mercadorias as conclusões obtidas podem sumarizar-se como: • A análise qualitativa de intensidade das relações comunitárias conduz-nos a reconhecer a existência de uma nova ordem jurídica que aboliu as barreiras existentes à liberdade de circulação de mercadorias. O mercado interno está, em 2008, muito próximo da sua completa integração. • A análise quantitativa de intensidade das relações comunitárias baseia-se na análise do nível de comércio do mercado interno da UE que conduzirá ás confirmação de que estamos realmente perante á um mercado interno já com elevada maturidade e integração. • Os níveis de interações, de conectividade e de interdependência entre os Estados membros são muito elevados. A intensidade formidável das relações intracomunitário no mercado interno de bens é demonstrada pela parte essencial do comércio intra-UE no comércio em geral. • A análise quantitativa da competitividade internacional da União Europeia sobre os mercados do mundo bens, avaliada pelo nível de comércio extra-UE, demonstra a alta competitividade mundial e posição de liderança da UE no comércio internacional. Relativamente à Política de Investigação Científica e de Desenvolvimento Tecnológico (I&DT), as conclusões obtidas podem sumarizar-se do seguinte modo. • A análise qualitativa mostra que a prática política, e a ordem jurídica não nos conduzem a nenhuma política integrada, mas a uma rede muito frágil de cooperação entre Estados Membros. Não existe ainda um verdadeiro mercado comum e interno com níveis de integração significativos. • O mercado interno de conhecimento é caracterizada pela fechados aos investigadores estrangeiros sistemas nacionais de investigação, regras diferentes para a aplicação de bolsas de estudo para estudantes estrangeiros de países da UE, os concursos públicos são realizados principalmente localmente e maioria dos investigadores trabalhando e estudando em seus países de origem, criando uma imagem de muito pouco espaço integrado com relações livres e fracas da intra-UE. • Estas análises conduziram ás confirmação de que estamos de fato perante um mercado muito fragmentado, consequentemente muito distante do que é preciso para ser um verdadeiro mercado interno. • Os níveis de interações, de conectividades e de interdependência entre os Estados Membro são muito reduzidos. • Os resultados em termos da Competitividade da União Europeia nos mercados globais relevantes são reduzidos, conforme se ilustra pelos seguintes quatro critérios, (a) quantidade de trabalhadores científicos; (b) nível de investimento em I&DT; (c) quantidade e qualidade de publicações científicas; e, (d) quantidade de registros de patente. • Avaliar a competitividade da União Europeia através de sua participação no mundial do I&DT, surge a imagem da União Europeia como um seguidor neste campo. Além disso, sua posição de competitividade está caindo devido ao crescimento rápido da concorrência mundial. Ainda assim, o líder de competitividade da posição da União Europeia demonstra um bom número de investigadores e quantidades de pedidos de patentes. No entanto, a UE lidera em pedidos de patentes. Portanto, a UE possui precárias União Europeia faz muito pobre em matéria de receitas obtidas com a sua venda. O mesmo pode ser observado quanto ao número de publicações de alto impacto. Porém, a União Europeia é líder mundial em matéria de número de publicações científicas, pertence aos seguidores em publicações de alto impacto. Do mesmo modo, apesar do aumento em termos absolutos, I&DT intensidade de investimento da União Europeia, a sua quota mundial diminuiu e a posição da UE está em segundo lugar. A investigação realizada sobre a correlação entre a intensidade das relações intracommunitárias e a competitividade mundial da União Europeia nos respectivos mercados relevantes globalizados demonstra a existência de uma enorme diferença. A análise comparativa das duas políticas: a política do Mercado Interno de mercadorias e a política de Investigação Científica e Desenvolvimento Tecnológico apresentam, por um lado, um quadro de política de Mercado Interno fortemente integrado, caracterizado por intensas relações entre os países membros e uma forte posição competitiva nos mercados mundiais de mercadorias, e por outro lado uma frágil integração da política de Investigação Científica e Desenvolvimento Tecnológico (I&DT), caracterizada pela fraca intensidade intraunitária e pelo papel coadjuvante da UE no setor internacional da I&DT. Além do relacionado, foi observada a dinâmica deste inter-relacionamento. O processo gradual de intensificação das relações dentro do Mercado Interno de mercadorias levou ao gradual fortalecimento da posição da UE como líder nos mercados internacionais de bens. Durante alguns momentos de fracasso, e, em certos períodos, “paralisadas” eram as relações das nações membros dentro da política de Investigação Científica e Desenvolvimento Tecnológico conduziram à debilitação da posição competitiva da UE neste campo. Esta dissertação doutoral conclui, por conseguinte, pela tese da existência de uma correlação positiva entre a intensidade das relações intracomunitárias dos diferentes estados membros da União Europeia e sua competitividade. Relações fortes ou intensas entre os países da UE no campo do Mercado Interno de mercadorias conduziram à bem sucedida posição da UE nos mercados internacionais de mercadorias. Entretanto, as fracas e praticamente estagnadas interações entre os Estados - Membro da UE dentro da política de I&DT colocaram a UE na situação de ator secundário neste setor em escala mundial.
The objective of this Doctorate Thesis is to explore the interrelation between the intensity of the relations amongst the Member States of the European Union and its competitiveness on the global markets. The analysis is an attempt to verify the intensity of intra-EU relations as a determinant of the external competitiveness position of the European Union in the world. As a general methodology, has been chosen two fundamental policies for the construction of the European Union: (a) the policy for Completing the Internal Market within the Movement of Goods, and (b) the policy for Scientific Research and Technological Development (RTD). Both policies have been selected as areas characterised by contrasting the integration level within the European Union. The Internal Market in goods policy has been chosen, as it demonstrates the high level of integration within the European Union, and generates a real fusion of Member States´ markets of goods into a single Common Market. The Research and Technological Development (RTD) policy has been chosen precisely for being thus far a fundamental contrast to the Internal Market in goods. The RTD policy is almost exclusively based on the mechanism of classic cooperation in international relations. Consequently demonstrating thus far, a low level of integration, including some features of regression after the Treaty of Lisbon. (2009, date of entry into force). For the evaluation of the intensity of relations within these two policies two-fold methods is applied: ¨qualitative¨ and ¨quantitative¨. The ¨qualitative¨ analysis is centred on the investigation of programmes, strategies and legal texts of each of these two policies. The ¨quantitative¨ analysis applies statistical data and indicators of international organizations mainly the World Trade Organization and EUROSTAT as well as competitiveness studies. Moreover, an analysis which evaluates the international competitiveness position of the EU in the relevant areas: the world´s goods markets and world´s research and technological development area, has been conducted. The ¨qualitative¨ analysis of the intra-EU relations intensity has been conducted for both the Internal Market in goods policy as well as the RTD policy ever since the creation of this policy up until 2008. The first one, ever since the Paris Treaty which established the European Coal and Steel Community in 1951, and the second since the Paris Declaration in 1972. The ¨quantitative¨ analysis of the intra-EU intensity of relations as well as the EU´s competitiveness analysis, due to the lack of consistent statistical data, it has been conducted for a shorter periods. In the case of the Internal Market in goods for the period 1995-2008 and in the Research and Technological Development area for the period 2000-2008. The investigation of the intensity of intra-EU relations reveals an enormous difference between the two policies. The essential difference has also been observed with regards to the EU´s international competitiveness position in two relevant areas. The strong and intense relations amongst the Member States of the EU within the Internal Market in goods contrast with poor and stagnant intra-EU relations within the policy for Research and Technological Development. The leading competitiveness position of the EU on the international markets of goods contrasts with the vague competitiveness of the European Union in the field of research and technological development. The central result of the research conducted reveals the inter- dependence between the intensity of the relations amongst the Member States of the European Union and its competitiveness. The intensive relations amongst the Member States, which characterises the Internal Market in goods, result in the leading position of the European Union on the global markets. Whereas, the poor intensity of intra-EU relations within the research and technological development field, revealed the EU´s poor participation in world innovation performance. Moreover, it could be observed the dynamism of the phenomenon. The process of intensification of intra-EU relations within the Internal Market in goods, increases the competitiveness position of the EU. Whereas, the slow quasi stagnated process of intensification of the intra-EU relations finds its reflection in the decreasing EU´s competitiveness position in the global research and technological development field. This doctoral dissertation concludes, by confirming the existence of positive interrelation between the intensity of the internal relations amongst the Member States and the EU´s competitiveness in the world.
URI: http://hdl.handle.net/10400.14/16695
Aparece nas colecções:IEP - Teses de Doutoramento / Doctoral Theses
R - Teses de Doutoramento / Doctoral Theses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
thesis for printing out february 2014.pdf4,17 MBAdobe PDFVer/Abrir    Acesso Restrito. Solicitar cópia ao autor!


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.