Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.14/15396
Título: Patient innovation : its prevalence, antecedents and impact
Autor: Czernin, Matilde
Orientador: Oliveira, Pedro
Zejnilovic, Leid
Palavras-chave: User Innovation
Patient Innovation
Antecedents of Innovation
Healthcare
Inovação por Utilizadores
Inovação por Pacientes
Antedecentes de Inovação
Inovação na Saúde
Data de Defesa: 1-Nov-2013
Resumo: In order to maintain the level of healthcare that we now associate with developed countries, innovation is imperative. Previous literature has shown that patients of chronic diseases are often involved in the development of new treatments and medical devices to help them cope with their health-condition. However the innovation developed by patients is often ignored or even rejected. A possible approach to address this issue is to open up healthcare innovation, by allowing patients and their caregivers to become themselves active contributors to the innovation process. In this context, the aim of this dissertation is to (1) quantify the extent to which patients and caregivers of rare diseases innovate, (2) find demographic and non-demographic antecedents of patient innovation, and (3) assess how the innovations impact the lives of patients. A telephone survey was conducted with the main objective of measuring the extent to which respondents had innovated, or not. 496 patients and caregivers of 250 rare diseases responded to the survey. Following the data collection we performed a descriptive analysis of the data and a multiple logistic regression to identify statistically relevant predictor variables of patient innovators. We found that 13% of respondents had innovated, and the variables that emerged as predictors of being an innovator are: higher level of education, being unemployed or looking after at home, being aware of the expenses with the disease, and Information and Communication Technology readiness. On the other side, being single has a negative impact on the propensity to innovate when compared with being married. Moreover, in a 7-point Likert scale measuring the quality of life of the patient, the innovations led to an average improvement of 2.4 points. Not only are patients developing completely new-to-the-market innovations, that are improving the patients’ quality of life, but they also assume the risks of trying solutions that had not yet been tested. This study suggests that the current producer-based and paternalistic healthcare model should be revised, so patients are given the chance of playing a more proactive role.
De forma a mantermos a saúde nos níveis que hoje associamos com países desenvolvidos, a inovação é imperativa. Estudos anteriores revelaram que em vários casos pacientes de doenças crónicas estão envolvidos no desenvolvimento de novos tratamentos e equipamentos médicos que os ajudam a lidar com a sua condição. Contudo, as inovações desenvolvidas por pacientes são frequentemente ignoradas ou até rejeitadas. Uma possível solução para superar esta crise de inovação seria deixar que pacientes e cuidadores se tornassem eles próprios contribuidores ativos no processo de inovação. Deste modo o objectivo desta dissertação é (1) quantificar até que ponto pacientes e cuidadores de doenças raras inovam, (2) identificar antecedentes demográficos e não-demográficos de inovação por pacientes, e (3) avaliar o modo como as inovações por pacientes afetam a vida dos pacientes. Conduziu-se um questionário telefónico com o fim de determinar até que ponto os entrevistados teriam inovado ou não. 496 pacientes e cuidadores de 250 doenças raras responderam ao questionário. Após a recolha de dados, efetuámos uma análise descritiva dos dados bem como uma regressão logística múltipla de forma a identificar variáveis estatisticamente relevantes preditoras do fenómeno de inovação por pacientes. Constatámos que 13% dos respondentes inovaram. As variáveis que emergiram como preditoras foram: educação superior, estar desempregado ou ser doméstico, estar ciente das despesas com a doença, utilização de tecnologias de informação. Por outro lado, ser solteiro, quando comparado com ser casado, tem um impacto negativo na propensão para inovar. Adicionalmente, numa escala de Likert de sete pontos que mediu a qualidade de vida do paciente, denotou-se uma melhoria média de 2.4 pontos após a inovação. Estes indivíduos não apenas desenvolvem inovações que melhoram a qualidade de vida dos pacientes, mas assumem também o risco de experimentar soluções que não foram ainda testadas. Este estudo sugere que o atual modelo de saúde paternalista, cujo epicentro são os produtores, deverá ser revisto tendo em vista a possibilidade de pacientes assumirem um papel mais proactivo.
URI: http://hdl.handle.net/10400.14/15396
Aparece nas colecções:FCEE - Dissertações de Mestrado / Master Dissertations
R - Dissertações de Mestrado / Master Dissertations

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Patient innovation - its prevalence, antecedents and impact.pdf1,22 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.