Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.14/15339
Título: Educação e desenvolvimento : um dualismo na sociedade global
Autor: Salgado, Maria da Conceição Santos Cordeiro
Orientador: Baptista, José Afonso
Data de Defesa: 6-Jan-2014
Resumo: Pretende-se elaborar uma análise de situações de trabalho, o que implica uma reflexão pessoal sobre o modo de atuação, como professora e como cidadã, ao longo de mais de três décadas. Trata-se de um itinerário marcado por uma diversidade de atividades ocorridas em universos temporais e espaciais os mais diversos, destacando o que considero os momentos mais intensos do ponto de vista profissional e emocional. Devo esclarecer, desde já, que o início da minha atividade como professora (1972-1975) – período muito rico pela experiência vivida e pela percepção das “anomalias” palpáveis, fortemente sentidas, e pela apropriação, “pour cause”, de uma mentalidade outra que se foi construindo, aqui e ali, noutras Escolas, noutros horizontes e noutras latitudes – influenciou fortemente o meu futuro profissional. O primeiro marco traduziu-se no meu envolvimento numa realidade cultural, social e humanamente diferentes – facto que me levou a repensar e a questionar o papel dos Sistemas Educativos numa sociedade em desenvolvimento – a Sociedade Guineense. Na Guiné-Bissau, colaborei em atividades as mais diversas: (i) apoio técnico à gestão da Escola 17 de Fevereiro, por convite do Ministério da Educação da Guiné- Bissau (1991-1992); (ii) projeto de formação pós-graduada de médicos, financiado pelo Banco Mundial, como consultora para a área económico-financeira e projeto de reorganização e gestão do Hospital Nacional Simão Mendes de Bissau, financiado pelo Banco Africano de Desenvolvimento, na qualidade de consultora e formadora (1997-2006), sempre na busca da consciencialização dos fenómenos sociais e educativos, procurando construir uma identidade própria. Tratou-se de uma necessidade pessoal, antropológica, cultural e mesmo física: a. Curiosidade em conhecer uma realidade outra, multifacetada, humana e culturalmente atraente. b. Necessidade de confrontação com novas ideias, outras experiências (levadas adiante por pedagogos brasileiros, nomeadamente por uma equipa chefiada por Paulo Freire1 que esteve em Bissau durante alguns períodos de tempo, tralhando no terreno, de cidade em cidade, de tabanca em tabanca2). O que implicou: a. Conhecer o país Guiné Bissau, nas diversas dimensões: sociais, económicas e políticas, inserindo-o no contexto africano. b. Vivenciar e compreender “in loco” o binómio educação / desenvolvimento. c. Problematizar a questão da globalização. O segundo momento relaciona-se com a minha atividade no PRODEP (1992-1997), mais concretamente no subprograma FOCO. A formação de professores, apreciada numa perspectiva abrangente, permitiu-me conhecer de perto os diversos atores da gestão escolar, as suas carências e expectativas local e regionalmente expressas, os custos financeiros e sociais envolvidos. Esta atividade permitiu: a. Um enriquecimento pessoal pelo contato direto com os vários responsáveis pela formação, proporcionando-me a consciencialização de que a Administração Escolar enfermava e, em meu entender ainda enferma, sem qualquer progresso significativo, das mesmas ineficiências da Administração Pública, em geral: (i) concentração excessiva do poder de decisão; (ii) sistema organizacional marcado pelo modelo hierarquizado de tipo taylorista (embora com alguns vislumbres de alteração, pelo menos, no domínio legislativo); (iii) grande peso da administração central (secretarias de Estado, direções gerais...). b. Possibilidade de rever e aplicar conhecimentos relativos à formação académica de base, colocando-os ao serviço de uma atividade particularmente sensível – a Educação. Pretendo significar que a Educação e, consequentemente a Escola, não são neutras; devem promover, em termos individuais e coletivos, o entendimento e a convivência social pacífica e cooperativa entre todos os sujeitos históricos – decorrendo daqui uma conceção democrática da escola que pretende superar uma qualquer dominação humana. Tenho a perceção nítida de que o meu percurso profissional foi fundamentalmente marcado por uma conceção que emana da livre escolha de cada um e de todos, traduzida de forma eloquente por Lipovetsky (2010;59) que afirma: Para finalizar esta breve reflexão que sustenta o desenvolvimento do relatório, abordarei uma questão ética que transcende o puro jogo do mercado, se não estaríamos – creio bem – a criar um mundo que, mesmo os mais acérrimos defensores do “laissez-faire” não preconizam: o da ausência do bem comum. Em suma: confrontamo-nos com a necessidade de (re) construir o bem comum, baseado numa nova engenharia social que nos conduzirá a uma “boa sociedade”, na qual caberá uma “escola nova” – cujos fundamentos terão de ser a cidadania, o civismo e a solidariedade. Por último, refiro o pilar que eu designo de uma Escola que opera a atualização democrática, histórica e cultural dos sujeitos da educação. A perspetiva aqui defendida, na esteira de muitos pensadores, é democrática e direcionada nos seguintes sentidos: a. Na concordância na ação entre educandos e educadores, em que estes mais não são que os mediadores de uma relação baseada em consensos, na aceitação crítica e livre3. b. No fortalecimento da liberdade e da ética tendencialmente universal, em que não basta a aquisição de conteúdos, antes envolvendo e exigindo a apropriação de valores e princípios histórica e eticamente construídos. c. Na negação de importações simplistas em matéria de melhoria da administração da educação. d. Na desmistificação dos métodos puramente mercantilistas do ensino, empolando-se a solução do gestor-salvador, visto como um herói na administração das escolas.Como Sísifo, andamos a calcorrear a encosta da montanha com uma grande pedra em cima das costas, a qual, de seguida, rebola até ao sopé – símbolo da dura tarefa que, semelhantemente, se nos coloca, a nós, homens terrenos, quando buscamos a explicação dos fenómenos sociais que nos rodeiam.
URI: http://hdl.handle.net/10400.14/15339
Aparece nas colecções:DEGS - Dissertações de Mestrado / Master Dissertations
R - Dissertações de Mestrado / Master Dissertations

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Relatório Reflexivo - Conceição Salgado 2013.pdf1,17 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.