Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.14/13266
Título: Ordem, caos e percepção : modelo teórico e analítico para Lux aeterna de György Ligeti
Autor: Monteiro, Pedro Miguel Pereira
Orientador: Espiña, Yolanda
Pereira, Miguel Ribeiro
Data de Defesa: 2013
Resumo: A nossa proposta, Ordem, Caos e Percepção – Modelo teórico e analítico para Lux aeterna de György Ligeti, é baseada em três grandes eixos. No primeiro, apresentamos uma reflexão especulativa sobre as relações, lineares e não lineares, que fundam e orientam a percepção do objecto musical em níveis dimensionais e analíticos. No segundo, estabelecemos o exemplo que serve de referência ao nosso estudo, Lux aeterna, determinando e contextualizando a nossa metodologia de análise. Daí partimos para uma análise formal detalhada, baseada na percepção, e estabelecida desde a sua superfície audível, delimitada pelos conceitos de macro e micro estrutura. Finalmente, no terceiro, apurando as limitações dos modelos analíticos tradicionais, fazemos uso do nosso próprio modelo teórico, revelando a estrutura da obra, a partir da iteração fractal de um único movimento - arsis-thesis - em toda a sua forma. Em consequência, o terceiro eixo oferece mais do que uma conclusão. Para além de apurar uma síntese da informação recolhida, nele configuramos um novo modelo de análise o qual tem em conta, não só a especificidade da percepção, desde o evento à forma, mas a materialidade específica da própria música. Por isso, esta materialidade, como fenómeno sonoro, contemplada através dos seus processos estruturais próprios, exclusivamente musicais, depende das circunstâncias específicas da sua experiência, decorrendo naturalmente do espaço-tempo que a enquadra. A inspiração básica do trabalho proposto advém, pois, de uma abordagem duplamente interdisciplinar. Por um lado, cruza diversos ramos do conhecimento científico, designadamente, as ciências exactas com a matemática, a física, a Teoria do Caos ou a topologia, mas também a própria teoria e análise musicais, de onde faz emergir um novo conjunto de conceitos e uma metodologia inovadora. Por outro, procura entender a música como uma actividade prática mas necessariamente teórica, uma vez que, ao músico, como artista, é indispensável o conhecimento do objecto da sua obra, do seu processo criativo e da reflexão sobre o que lhe serve de suporte. Neste sentido, é relevante a experiência directa da materialidade da obra, através da sua audição. Todavia, como fica demonstrado no exemplo prático da preparação de uma ensaio para a obra, a teoria fundamenta uma análise que, por sua vez, se torna eficaz e reveladora do conjunto de processos que descrevem as relações de complexidade entre o resultado audível do objecto sonoro e o seu processo, relevando a quem ouve, activa ou passivamente, a beleza de ambos. Decorrente deste facto, vemos como Lux aeterna levanta um conjunto de questões teóricas e analíticas, relacionadas com a sua complexidade estrutural. De resto, estes problemas não são verificados apenas nesta obra mas num vasto domínio de sistemas dinâmicos, humanos e naturais. Esta complexidade, abordada na Teoria do Caos, resulta não apenas do objecto musical, em si, mas também, e sobretudo, das características intrinsecamente complexas advindas da sua percepção, nas quais se separam, pela natureza do mecanismo conceptual, processo e resultado.
URI: http://hdl.handle.net/10400.14/13266
Aparece nas colecções:EA - Teses de Doutoramento / Doctoral Theses
R - Teses de Doutoramento / Doctoral Theses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Ordem Caos e Percepção.pdf31,21 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.