Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.14/13168
Título: Santo Agostinho e o De excidio urbis Romae sermo
Autor: Urbano, Carlota
Palavras-chave: Santo Agostinho
Repreensão
Destruição
Punição
Correcção
Provação
Urbs
Ciuitas
Data: 2006
Editora: Universidade Católica Portuguesa. Faculdade de Teologia-Braga
Citação: Urbano, Carlota Miranda – Santo Agostinho e o De excidio urbis Romae sermo. Theologica. Braga. ISSN 0872-234-X. N.º 43. 2.ª série – Fasc. 1 (2008) P. 215-225.
Relatório da Série N.º: 2.ª série;Fasc. 1
Resumo: Na sequência da queda de Roma em 410, Santo Agostinho afirma no sermão que aqui tomamos que Roma não foi destruída. Não faltaram da parte da população pagã as acusações ao cristianismo. Os próprios cristãos estariam confundidos ao assistir à humilhação da cidade que guardava os túmulos dos apóstolos Pedro e Paulo. Santo Agostinho não tarda em responder a estas recriminações e perplexidades, primeiro em textos relativamente breves como os Sermões, para além de algumas referências em cartas, e depois, mais tarde, na célebre Cidade de Deus. O presente artigo procede à análise do sermão De excidio urbis Romae, pondo em relevo a sua interpretação deste grave acontecimento, distinguindo muito bem entre a urbs e a ciuitas.
Peer review: no
URI: http://hdl.handle.net/10400.14/13168
ISSN: 0872-234-X
Versão do Editor: teo@braga.ucp.pt
Aparece nas colecções:RT - 2008 – vol. 043 – Fasc. 1

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
urbano.pdf201,39 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.