Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.14/13136
Título: Pais como vigilantes durante a hospitalização de um filho
Outros títulos: Contributo para a clarificação do conceito
Autor: Gonçalves, Elsa Restier
Vieira, Margarida
Araújo, Beatriz
Palavras-chave: Vigilância parental
criança hospitalizada
Data: Nov-2012
Editora: Associação Portuguesa de Enfermeiros
Citação: GONÇALVES, Elsa Restier [et al.] - Pais como vigilantes durante a hospitalização de um filho: Contributo para a clarificação do conceito. In 12ª Conferência Internacional de Investigação em Enfermagem, Lisboa, Portugal, 28-30 Novembro 2012
Resumo: Objetivo: Contribuir para a clarificação do conceito de vigilância parental Método: Clarificação de conceito. Pesquisa nas bases de dados CINAHL e MEDLINE (palavras-chave parent, vigilance, child e hospitalized). Análise: No cuidado humano, a vigilância pode ser vista como, a capacidade de reação a uma situação crítica. (Benner e Whrubel, 1989) A vigilância familiar, teoria desenvolvida por Carr e Clark (1997), referem o envolvimento próximo e de proteção de familiares, perante um membro da família hospitalizado. Encontram-se definidos na Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem, na versão 2 (CIPE, 2010), conceitos como “Tomar conta”, “Vigilância” e “Parentalidade”. Não sendo os dois primeiros termos, exclusivos do exercício parental, percebe-se no seu conteúdo, a extensão do foco e da ação, justificando a pertinência da articulação dos mesmos para a compreensão de um fenómeno de enfermagem. A vigilância é atributo da parentalidade, associada à confiança sobre os cuidados prestados pelos técnicos. (Hurst, 2001; Thompson et al, 2003; Dudley e Carr, 2004; Hall, 2005; Mendes e Martins, 2011; Hall et al, 2012) Segundo Thompson et al (2003), no processo de construção da confiança dos pais, perante os cuidados de enfermagem, a presença da vigilância é constante, pois ser vigilante é inerente ao papel parental, não significando desconfiança. Esta constância justifica-se pela necessidade dos pais, em garantir os melhores cuidados possíveis ao seu filho. (Gasquoine, 2005) Conclusões: Os pais são vigilantes, durante a hospitalização de um filho, porque vigiar é atributo da parentalidade, é constante e associado à confiança e visa o garante da qualidade dos cuidados prestados à criança.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.14/13136
Versão do Editor: http://www.apenfermeiros.com/index.php/component/ohanah/12conferencia-1
Aparece nas colecções:ICS(P) - Comunicações em encontros internacionais / Presentations in international meetings

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Pais como vigilantes durante a hospitalização de um filho.pdf72,22 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.