Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.14/12101
Título: Ser enfermeira em Portugal da I República à instauração do estado novo (1910-1933) : leituras na imprensa generalista
Autor: Pires, Ana Maria Barros
Orientador: Nunes, Lucília
Data de Defesa: 2013
Resumo: O presente estudo, realizado no âmbito da Historia de Enfermagem, incide sobre as representações sociais associadas às enfermeiras e à enfermagem. Ao longo do tempo a sociedade tem associado à profissão de enfermagem e à enfermeira representações muitas vezes contraditórias e que persistem no imaginário individual coletivo. Partindo de interrogações sobre o modo como essas representações se constituíram no passado e como chegaram até nós definimos como objetivo central do nosso estudo desvendar o modo como as representações sociais associadas à enfermeira e à enfermagem se manifestaram no passado. Para responder a este objetivo situámos os limites temporais do estudo entre o estabelecimento da I República em 1910 e 1933 ano em que foi promulgada a Constituição que instituiu, pela força da lei, os princípios definidores do Estado Novo. A pesquisa desenvolveu-se tendo como eixos orientadores: a identificação do contexto sociopolítico, cultural e sanitário no período em questão; a identificação do dispositivo legal referente à profissão produzido nesse período e a identificação das representações associadas à enfermeira e à enfermagem. Para responder às questões colocadas recorremos à imprensa diária generalista, identificando no jornal Diário de Noticias as notícias relacionadas com enfermeiras e a enfermagem; aos documentos legislativos e à discussão que suportou a sua produção. O conjunto de documentos obtidos, notícias, documentos legislativos e atas de debates parlamentares, foram analisados tendo por base os pressupostos conceptuais da análise do discurso e mais especificamente do conceito de repertório interpretativo. Pudemos, assim, identificar cinco repertórios interpretativos usados para descrever a enfermeira e a enfermagem: a enfermeira doméstica e a enfermagem atividade feminina; a valorização da enfermeira e da enfermagem no contexto das lutas revolucionárias e da I Grande Guerra; a valorização da enfermeira no contexto da sua intervenção; a valorização da enfermagem no contexto da produção legislativa e a valorização da enfermagem no contexto da formação. Identificámos ainda notícias sobre as organizações profissionais.Relevamos como conclusões que os ideais republicanos trouxeram visibilidade à enfermagem laica. A crença no valor da ciência, da qual a medicina se tornou a disciplina por excelência, arrastou a necessidade de tornar a enfermagem uma profissão valorizada socialmente, com profissionais bem preparados. Também a I Grande Guerra foi um ponto de viragem na enfermagem portuguesa. É a partir de 1918 que a produção legislativa propõe uma regulamentação da profissão e uma maior exigência na formação. No período em estudo a enfermagem passou duma profissão exercida por pessoal indiferenciado para uma profissão sancionada pela obtenção dum diploma obtido em escolas reconhecidas legalmente. As enfermeiras passaram de “criadas” a profissionais competentes. A enfermagem foi-se tornando uma profissão feminina e passou a ter uma vertente comunitária, necessária na luta pela melhoria da situação sanitária do país. Evidenciou-se uma consciência de classe configurada na existência de publicações, associações profissionais e sindicatos. Pensamos com este estudo poder contribuir para a reconfiguração do nosso passado. O resgate da memória dá-nos coesão e sentindo de pertença enquanto grupo profissional permitindo estruturar a nossa identidade profissional.
The present study, done in the field of the History of Nursing, focus the social representations associated with nurses and nursing. Throughout time society has associated very often contradictory representations of nurses and nursing, which persist in the individual and collective imaginary. Questioning the way those representations were established in the past and how they came to us, we defined as the main goal of our study to reveal how the social representations, associated with nurses and nursing appeared in the past. To fulfill this goal we set the temporal limits of the study between the beginning of the 1st Republic in 1910 and 1933, the year of the promulgation of the Constitution which established, by the force of the law, the principles which defined the “Estado Novo”. We developed this research according to the following guidelines: the identification of the sociopolitical, cultural and sanitary context; the identification of the legal diplomas concerning the profession, produced in that period of time and the identification of the representations related to nurses and nursing. To answer these issues we used: the generalist daily press to identify in the newspaper “Diário de Notícias” the news related with nurses and nursing; the legislative documents and the debates which supported its production. The study of this body of documents, news, legislative documents and the minutes of the parliamentary debates, was based on the conceptual assumptions of the discourse analysis, and more specifically on the concept of interpretative repertoire. This way we identified five repertoires used to describe nurses and nursing: the nurse as a maid and nursing as a feminine occupation; the enhancement of nurses and nursing in the context of the revolutionary fights and 1st World War; the enhancement of nurses in the context of their interventions; the enhancement of nursing in the context of legislative body; and the enhancement of nursing in the context of educational training. We also identified news on the professional organizations. We point out as final conclusions that republican ideals brought to light the laic nursing. The belief in the value of science, of which medicine became a discipline par excellence, compelled nursing to become a socially valued profession with skilled professionals. The 1st World War was also a turning point in the Portuguese nursing. It is from 1918 onwards that the legislative production proposes a regulation of the profession and a higher demand for its education. During the period of time we studied nursing passed from a profession practiced by undifferentiated personnel to a profession sanctioned by obtaining a diploma in legally recognized schools. Nurses passed from “maids” to qualified professionals. Nursing became a feminine profession and gained a communitarian side, needed for the struggle for better sanitary conditions in the country. A class consciousness became apparent which took form I the existence of professional associations and publications and trade unions. We believe this work can add to the reconfiguration of our past. The recovery of memory gives us cohesion and a sense of belonging to a professional group enabling us to structure our professional identity.
URI: http://hdl.handle.net/10400.14/12101
Aparece nas colecções:R - Teses de Doutoramento / Doctoral Theses
ICS(L) - Teses de Doutoramento / Doctoral Theses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
TESE FINAL WORD_17_Out_2012.pdf1,61 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.