Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.14/12039
Título: A segurança internacional da Europa – da paz Kantiana à política comum de segurança e defesa
Autor: Rodrigues, Paulo Sérgio de Almeida
Orientador: Garcia, Proença
Data de Defesa: 28-Jun-2012
Resumo: Este ensaio visa analisar o percurso da Europa desde o fim da II Guerra Mundial até à actualidade, avaliando o evoluir da sua segurança externa, ao longo destas seis décadas, e tendo por objectivo estabelecer a necessidade do desenvolvimento de capacidades militares fortes e credíveis por parte da União Europeia como requisito fundamental para desempenhar o papel por si desejado de superpotência mundial no contexto do Sistema Internacional actual e futuro. Começamos por tomar consciência, com o filósofo inglês do século XVII Thomas Hobbes, de que a paz não é natural ao Homem, precisando a humanidade de desenvolver esforços não só para a alcançar mas igualmente para a preservar. De seguida, e tendo por base este princípio, avaliamos e compreendemos o percurso da Europa pós II Guerra Mundial no caminho do estabelecimento de uma paz duradoira, através da construção de uma Entidade Supranacional - a União Europeia - com princípios largamente enraizados na obra "O Projecto de Paz Perpétua" do filósofo alemão do século XVIII Immanuel Kant, percebendo as razões conscientes e/ou meramente ocasionais de tal evolução. Após a queda do Muro de Berlim e do Sistema Internacional da Guerra-fria, e passados os anos iniciais de altos sonhos e desilusões, a UE apercebe-se, finalmente, de que para desempenhar o papel por si desejado na Cena Internacional precisa de possuir capacidades militares respeitadas pelos objectos da sua influência. Inicia-se, desta forma, com o estabelecimento da PESC em 1992, um percurso sinuoso e repleto de obstáculos no sentido de transformar a UE numa potência militar, percurso esse que ainda hoje não se encontra concluído. Após avaliarmos os prós e contras deste caminho, assim como as dificuldades criadas a este desenvolvimento, quer por actores externos quer por actores internos à própria UE, concluímos com uma avaliação da Relação Transatlântica, e mais especificamente à relação UE-NATO, no passado, no presente e no futuro. Concentramo-nos, maioritariamente, na questão do desenvolvimento de capacidades militares por parte da primeira e da sua utilização no contexto NATO-UE, mas nunca descurando a semelhança e complementaridade de valores entre estas duas organizações, assim como as suas diferenças e divergências. Por último, e já em jeito de conclusão, introduzimos a questão da Civilização Ocidental e da necessidade dos seus Paladinos, particularmente a Europa e os Estados Unidos, actuarem em uníssono, não só para preservarem os valores da sua civilização mas, igualmente, para alcançarem e/ou manterem a sua posição de Superpotência no Contexto Internacional actual e futuro.
This essay aims to analyze Europe’s course from the end of World War II through to the present, evaluating the evolution of its external security (defenses?) over these six decades, and aiming to establish the necessity for the European Union to develop strong and credible military capabilities as a key requirement for its desired role as a world superpower in the context of the current and the future international systems. Let us begin by realizing, as did the seventeenth-century English philosopher Thomas Hobbes, that peace is not natural to man, requiring that mankind make an effort not only to achieve it but also to preserve it. Based on this principle, Europe’s course after World War II has been analyzed and evaluated in the context of its attempt to establish lasting peace through the construction of a supranational entity - the European Union - with principles rooted largely in "The Project for Perpetual Peace " by the XVIII century German philosopher Immanuel Kant, analyzing the conscious and/or merely incidental reasons for such developments. After the fall of the Berlin Wall and of the International System of the Cold War, and after the early years of high dreams and disappointments, the EU has finally realized that in order to enact its desired role in the International Milieu, it needs to possess military capabilities respected by those under its influence. In this way begins, through the establishment of the CFSP in 1992, an obstacle-ridden winding path to making the EU a military power, an as-of-yet unfinished journey. After evaluating the pros and cons of this path, as well as the difficulties created by this development, either by outsiders or by those internal to the EU itself, we conclude with an assessment of the Transatlantic Relationship, and more specifically the EU-NATO relationship in the past present and future. We focus mostly on the question of the development of military capabilities by the former and its use in the NATO-EU context, while never disregarding the similarities and complementarities of values between these two organizations, as well as their differences and divergences. Finally, and by way of a conclusion, we have introduced the question of Western Civilization and the necessity for its Paladins, particularly Europe and the United States, to act in unison, not only to preserve the values of their civilizations, but also to achieve and/or maintain their positions as Superpowers in the present and future International Context.
URI: http://hdl.handle.net/10400.14/12039
Aparece nas colecções:R - Dissertações de Mestrado / Master Dissertations
IEP - Dissertações de Mestrado / Master Dissertations

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Capa e Resumo.pdf379 kBAdobe PDFVer/Abrir
A Segurança Internacional da Europa_da paz Kanteana a PCSD.pdf1,57 MBAdobe PDFVer/Abrir    Acesso Restrito. Solicitar cópia ao autor!


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.