Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.14/10951
Título: O bispo-menino, o rito de Salisbúria e a capela real portuguesa
Autor: Martins, Mário
Data: 1972
Editora: Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa
Citação: MARTINS, Mário - O bispo-menino, o rito de Salisbúria e a capela real portuguesa. Didaskalia. Lisboa. ISSN 0253-1674. 2:1 (1972) 183-192
Resumo: O Natal caía a 25 de Dezembro. A 26, era a festa de S. Estêvão. A 27, era a festa de S. João Evangelista. E no dia 28, a festa dos Santos Inocentes, esses meninos anónimos que Herodes mandou matar. Ora, nas catedrais da Idade Média e de acordo com velhos costumes, as crianças, sobretudo os meninos de coro, julgavam seu o dia dos Santos Inocentes, com vésperas solenes no dia anterior. E o mundo pertencia-lhes durante vinte e quatro horas, pelo menos. O mundo, quer dizer, a catedral, o paço do bispo, um pouco as ruas da cidade, etc. Assistia-se, então, à vitória da inocência (esta a ideia primitiva) e da irresponsabilidade lúdica de quem não tinha contas a dar. Com efeito, naquele dia, em muitas sés ficava de lado o prelado diocesano, substituído pelo bispo dos inocentes (episcopus innocentium) ou então bispo dos meninos (episcopus pueroruim). Certo documento de 1419, de além-Pirenéus, refere-se ao «pequeno báculo» e às sandàliazinhas para o minibispo. Um breviário de Salisbúria apontado por Du Cange (fixemo-nos bem neste caso) ordenava que os meninos de coro tivessem bispo seu: Pueri chori suum habeant episcopum.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.14/10951
ISSN: 0253-1674
Aparece nas colecções:RD - 1972 - Vol. 002 - Fasc. 1

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
V00201-183-192.pdf333,56 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.