Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.14/10937
Título: Equipas de cuidados paliativos domiciliários: quantas e onde são necessárias em Portugal
Outros títulos: Home palliative care teams in Portugal: how many and where
Autor: Capelas, Manuel Luís
Palavras-chave: cuidados paliativos
equipas de cuidados paliativos domiciliários
avaliação de necessidades
Palliative Care
Home Palliative Care Teams
Needs Assessment
Data: 2010
Editora: UCEditora
Citação: CAPELAS, Manuel Luís – Equipas de cuidados paliativos domiciliários: quantas e onde são necessárias em Portugal = Home palliative care teams in Portugal: how many and where. Cadernos de Saúde. Lisboa. ISSN 1647-0559. 3:2 (2010) 21-26
Resumo: As equipas de cuidados paliativos domiciliários são parte integrante de um programa de cuidados paliativos e o garante de uma adequada resposta às necessidades dos doentes e famílias, visto permitirem que os cuidados em fim de vida sejam prestados no local habitualmente mais indicado pelos doentes, a sua casa. São equipas especializadas que, segundo as organizações internacionais e estudos já efectuados, apresentam elevada efectividade e eficiência. Para garantir a acessibilidade de todos os utentes do Serviço Nacional de Saúde a esta intervenção, a implementação destas equipas deverá ter distribuição uniforme, de acordo com estratégia baseada na identificação das necessidades ou, na sua impossibilidade, pela estimativa das mesmas. Utilizando duas das diversas metodologias de estimativa de necessidades, suportados em dados demográficos portugueses relativos ao ano de 2009, calculámos que serão necessárias entre 106 e 160 equipas, sendo que, e de acordo com as mais recentes indicações da European Association for Palliative Care, refere a necessidade de 1 equipa por 100 mil habitantes, o valor estimado para Portugal será então de 106 equipas. Neste estudo apresentamos como se deverão distribuir essas equipas pelo país.
Abstract - Home Palliative Care Teams are the most important support of a national program of palliative care, because they allow health care to be provided where most people, at the end-of-life, would wish it to happen - at home. Moreover, these teams have proved to be more effective and efficient than other types of palliative care teams. In this study, we present a geographical distribution of such teams, justifying its rationale. To ensure accessibility for all users of the National Health System, these teams must have uniform distribution for all country, based on identification or estimate the needs of each region. Using two different methodologies for estimating requirements, supported in Portuguese demographic data for the year 2009, we propose that between 106 and 160 teams will be needed. According to the latest indications from the European Association for Palliative Care, which refers to need a team for every 100 000 inhabitants, the estimated value for Portugal is 106 teams.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.14/10937
ISSN: 1647-0559
Aparece nas colecções:RCS - 2010 - Vol. 003 - Nº 02

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
CSaude_3-2_2010(3).pdf131,64 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.