Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.14/10368
Título: Nation as narration: the (de)construction of “Yugostalgia” through Kusturica’s cinematic eye
Autor: Ferreira, Marcos Farias
Palavras-chave: Balkanism
Cinema
Kusturica
Narrativity
Yugoslavia
“Yugostalgia”
Balcanismo
Cinema
Jugoslávia
“Jugostalgia”
Narratividade
Data: 2006
Editora: Quimera
Citação: FERREIRA, Marcos Farias - Nation as narration: the (de)construction of “Yugostalgia” through Kusturica’s cinematic eye. Comunicação & Cultura. Lisboa. ISSN 1646-4877. 1 (Primavera-Verão 2006) 135-155
Resumo: This essay explores Kusturica’s cinema, mainly Underground (1995), in order to unearth the processes of identity construction and deconstruction in the Yugoslavia of the 1990s. It must be located at the specific crossroads where international (political) studies meet cultural studies according to a renewed interest in social ontologies, i.e. for identity and ideational phenomena at large as producing a web of intersubjective meanings which ultimately give substance and texture to the social world. I therefore draw on Cohen-Séat’s elaboration of film in terms of cinematic fact in order to clarify Homi Bhabha’s theory of the nation as a form of cultural elaboration and narrativity. Given that mass communication is nowadays integral to an understanding of a nation’s horizon, the mind’s eye of the filmmaker consequently becomes a first order mediator in reading and narrating the nation.
O objectivo deste artigo é o de explorar o cinema de Kusturica, e em especial Underground (1995), no sentido de destacar os processos de construção e desconstrução da identidade na Jugoslávia dos anos de 1990. Situa-se, por isso, na encruzilhada em que os estudos (políticos) internacionais se cruzam com os estudos culturais, o que corresponde a um interesse renovado pelas ontologias sociais, i.e. pela identidade e todo o tipo de fenómenos ideacionais que produzem uma teia de significados intersubjectivos responsáveis por dar substância e textura ao universo social. Tomo assim como ponto de partida a noção de facto cinemático, da autoria de Cohen-Séat, para tornar mais clara a teoria de Homi Bhabha de que a nação é uma forma de elaboração cultural e narratividade. Uma vez que a comunicação de massas é hoje parte integrante na compreensão do horizonte de uma nação, a perspectiva do realizador de cinema torna-se um mediador privilegiado na leitura e narração da nação.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.14/10368
ISSN: 1646-4877
Versão do Editor: http://comunicacaoecultura.com.pt/wp-content/uploads/2010/07/01_07_Marcos_Farias_Ferreira.pdf
Aparece nas colecções:RCC - 001 - 2006 - A cor dos media

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
01_07_Marcos_Farias_Ferreira.pdf117,95 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.